Estamos Localizados Numa Área de 8.000m², na Região Serrana de Macaé, Rio de Janeiro - Brasil

CBKC
FCI
CBRDA
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
ROYAL CANIN

CANIL HEGUEDUSCH BUCAIR - Nomes Fantasia: Canil Gigante Gentil e Gentle Giant Kennel - Email: canilgigantegentil@gmail.com / gentlegiantkennel@gmail.com

Chanceler Bismarck

e dois de seus cães, em 1891

Fonte: Public Domain

A HISTÓRIA, 

Comportamento, Padrão da Raça e Suas Cores

   Dogue-alemão é uma raça canina de origem Alemã. Conhecida por seu grande porte é um animal amado em todo o mundo, especialmente por possuir temperamento calmo e equilibrado. Por  ser elegante e imponente é utilizado para guarda e companhia, ao mesmo tempo.
  A raça é antiga e tem origem  controversa. A hipótese mais aceita é que seu ancestral seria o extinto molosso assírio. Os Romanos promoveram acasalamentos com cães romanos mais leves (possivelmente os ancestrais do lébrel irlandês) com a intenção de produzir um cão forte e ágil, para caçar de javalis, lobos e ursos. Mais tarde, estes cães se tornaram muito populares em diversas regiões da Europa, onde foram utilizados para escoltarem caravanas e defender propriedades.
  Segundo o Deutsche Dogge Club, a raça esteve presente na primeira exposição de cães da história, realizada em 1863, na cidade de Hamburgo, Alemanha, inscrita sob dois nomes diferentes: dogue dinamarquês (Danish Dogge - cães de pelagem branca e preta) e dogue de Ulm (Ulmer Dogge - pelagem marrom, tigrada, preta ou cinza). Um grupo de juízes cinófilos julgou impossível distinguir uma raça de outra, e em 1880, as duas raças foram unificadas sob o nome de dogue alemão (Deutsche Dogge), denominação hoje reconhecida pela FCI. Apesar de não haver evidências da participação da Dinamarca na criação da raça, os países de língua inglesa e espanhola ainda utilizam a denominação "grande dinamarquês" (respectivamente, great dane egran danés). Em 1888 foi fundado o clube oficial de criadores e em 1891 foi escrito o primeiro padrão para raça, que quase não sofreu alterações nos dias atuais. Um de seus grandes entusiastas foi o chanceler alemão Bismarck, que criou a raça por quase 60 anos, e estava sempre acompanhado de um ou mais de seus cães.


History on the "Deutsche Dogge“ (Great Dane) Excerpt of the publication by W.Nouc. in http://www.ddc1888.de/Great-Dane-History.227.0.html 

PADRÃO DA RAÇA

O DOGUE ALEMÃO E SUAS CORES

FONTES:

 

 

FÉDÉRATION CYNOLOGIQUE INTERNATIONALE    - FCI  - VER EM: Standards & Nomenclature - Group 2 - Section 2 - 5. Germany - Deutsche Dogge (235) (Great Dane) - En(English) : www.fci.be/uploaded_files/235gb2002_en.doc  

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA  -  CBKC  - VER  EM: "Raças" - Padrões - FCI - GRUPO 2  -  Raças:  Dogue Alemão    -  www.cbkc.org   - FILIADA À FCI

DEUTSCHER  DOGGENCLUB - DDC  1888    -    VER  EM:  "Zucht"  -  "Rassestandard"   -    Standard der Deutschen Dogge   -  http://www.doggen.de   - FILIADO À FCI

KYNOLOGISCHE  GESELLSCHAFT  FÜR  DEUTSCHE DOGGEN  e.V.   www.kyddoggen.com / www.pats-pets.de/vereine/kyddoggen/kyddoggen.htm    -    FILIADA   À   FCI 

GREAT  DANE  CLUB  OF  AMERICA - GDCA   1889  - VER  EM:  Great Dane"  -  "About" - "Official Standard"  -   Official  Standard for the Great Dane   -  www.gdca.org                

ESPECIFICAMENTE     SOBRE     CORES    DE    PELAGEM    DO   GDCA ,    VER     EM:    "Great Dane"    -  "About"   -  "Illustrated Standard"    -   "Coat, color, Markings and Patterns"  www.gdca.org/coatcolor.htm  

SOBRE  NORMAS DE ACASALAMENTO  DO  GDCA ,  VER  A  PÁGINA  “BREEDERS’ COLOR CODE” - www.gdca.org/colorcode.htm  

AMERICAN  KENNEL  CLUB  -  AKC  -  VER   EM:  "Breeds"  -  "Complete Breed List"    -  Great Dane  - GREAT DANE BREED STANDARD - www.akc.org/breeds/great_dane/index.cfm 

DOGUE  ALEMÃO  CLUBE  DE  PORTUGAL  -  DACP  -  VER   EM:  "Estalão da Raça"       - http://dacp.pt/estalãodaraça.htm    -  FILIADO À FCI

DOGUE  ALEMÃO  BRASIL  -  o portal  brasileiro do Dogue Alemão  -  VER  EM:  "Informação"  - "Padrão"  -  www.dogue.da.ru   

PESQUISA EXTRAÍDA DO SITE: http://www.maximsdogue.com

VARIAÇÕES NÃO PADRONIZADAS

 

 

É   importante   lembrar  que  os   filhotes  nascidos  da  Variedade  Arlequim & Preto  podem  ter muitas outras  cores  além  destas  até  aqui  apresentadas.

Os   acasalamentos   permitidos   na   Variedade   Arlequim  & Preto    podem   produzir    filhotes arlequins,  pretos,  mantados,  plaqueados  e  muitas  outras  amostragens  de cores  de  pelagem com  infinitas  possibilidades  de  combinações  nas  cores  preto,  branco,  cinza e diversos tons de cinza.

Podemos  obter, por  exemplo,  cães  merles,  merlequins, merles -plaqueados,  merles-mantados,  brancos,  albinos,  arlequins    com   marcações  excessivas, como também  muito  levemente  ou  mal  marcados,   pretos-mantados  com   marcações  não  muito  bem  definidas etc.

IMPORTANTE

Deve-se   diferenciar   os   exemplares  ALBINOS  dos   exemplares  BRANCOS.  Os  albinos  não possuem  nenhuma  melanina  no  organismo,  os  cílios e todos  os pelos do corpo são brancos, não  apresentam nehuma mancha escura na pele e, devido a total falta de pigmentação, os vasos sangüineos  do  globo  ocular  dão  uma  aparência  rósea  aos  olhos.

ACASALAMENTOS NÃO RECOMENDADOS GDCA

 

 

Na página Breeders´Color Code do site oficial do clube norte-americano GCDA, encontramos a norma  de  acasalamento  que  pretendeu-se  definir  para  a  Raça  Dogue Alemão.

Traduzimos e publicamos esta norma na nossa página  Regra Acasalamento GDCA.

A norma em questão é bastante clara  e específica  quando determina  4  variedades  ou  grupos 
de  cores,  definindo  quais  os  acasalamentos  desejáveis  e   permitidos  para   cada   uma  das variedades.

Consta, nesta página, que o clube  americano de dogues alemães  GCDA endossou  esta  norma  e considera desaconselhável  a  prática  de  acasalamento  inter-variedades.

Entretanto,   observa-se  que  nos  EUA  a  prática  de  acasalamento  inter-variedades   está   se tornando  cada  vez  mais  freqüente,  a  despeito do que ficou definido no Breeders´Color Code.

Esta constatação  fica evidente quando pesquisamos na internet os  pedigrees de cães  da  raça Dogue Alemão  norte-americanos  que obtiveram títulos em exposições oficiais de  cinofilia  nos EUA e em outros países.

Também pode-se constatar  esta  discrepância quando visitamos  páginas de filhotes de sites de criadores  norte-americanos  conceituados,  onde  aparecem  a  matriz  e o  padreador da ninhada pertencentes a variedades distintas.

Podemos  encontrar também, com maior freqüencia,  fotos  de exemplares  filhotes  e  adultos  da raça  Dogue  Alemão  nas  mais  diversas  amostragens  de  cores,  todas  não  padronizadas,  em muitos  sites de canis de dogues alemães diferentes,  bem como em sites especializados da  raça, resultantes  da  prática  de  acasalamentos   inter-variedades.

Muitos canis  que se utilizam desta prática,  publicam  em   suas   páginas   apenas  as   fotos  de filhotes e de cães adultos que nasceram  com  a  pelagem  dentro  do  padrão desejado.   Quanto aos  demais  que,  provavelmente,  também   nasceram   da    mesma    ninhada  do   acasalamento inter-variedades,  estes  não  aparecem   nem  tampouco  são   mencionados,  o   que   deixa   um  questionamento  no  ar ...  que fim  foi  dado a eles?

É bem  possível que em alguma ninhada, proveniente de cruzamentos inter-variedades, não  haja ocorrência de  filhotes  em  cores  não  padronizadas, porém, as evidências nos mostram que não podemos  supor  que  esta  seja  a  regra,  muito  pelo  contrário,  a  incidência de nascimentos de filhotes  com   pelagens  não  padronizadas  está  tornando-se  cada  vez  mais  recorrente.

Mas, a pergunta é: como é possível  haver  cães  provenientes de cruzamentos  inter-variedades, devidamente  registrados  pelo  clube  cinófilo  americano  AKC,  participando  de  exposições  e recebendo títulos, quando o código dos criadores  Breeders´Color Code  claramente  rejeita  esta prática  e, ainda,  afirma  que o  GCDA   aprovou   essa   norma  regulamentadora,  publicada   em uma  das  pagínas  do  site  oficial  do  clube? 

Levamos este questionamento a alguns criadores norte-americanos conceituados, os  quais não serão mencionados aqui,  mas  que  nos  informaram  o  seguinte:

Breeders´Color Code  é  um  código  ético,  uma  espécie  de código de honra, código este que pode ou  não  ser  adotado  pelos  criadores  devidamente  regulamentados,  ficando a critério de cada um seguir ou não o que o código orienta.  Portanto, o código prevê uma recomendação aos criadores norte-americanos, não necessariamente uma obrigatoriedade.

E,  ainda, muito  embora  o clube norte- americano de  Dogue Alemão  GCDA  tenha  aprovado  e endossado  o  código dos criadores  Breeders´Color Code, o  não cumprimento  das  orientações de  acasalamento   constantes   nesse  código  não  determinam   nenhum   impedimento  para   o registro  de  ninhadas  provenientes  de  cruzamentos   inter-variedades  pelo  clube  de  cinofilia  norte- americano  AKC.

E mais, os filhotes oriundos de cruzamentos entre  qualquer  cor, seja  ela  padronizada  ou   não, independentemente  a   qual   variedade   é   pertencente,   por   exemplo:  DOURADO  x  PRETO; ARLEQUIM   x   PRETO  DE   AZUL;  TIGRADO  x   PRETO  DE AZUL;  TIGRADO    x    PRETO ou  TIGRADO  x  PRETO DE ARLEQUIM;  MERLEQUIM  x  AZUL;  e  assim  por diante, podem ser   registrados   pelo   AKC   e  considerados   aptos   para    reprodução,   ficando   apenas   os exemplares  com   pelagens  não   padronizadas,   provenientes  destes  acasalamentos,  fora  das exposições  cinófilas  do   país.

A única exigência imposta pelo AKC,  para fins de registro dos filhotes, é  a  de que a  matriz  e o padreador, ( o macho e a fêmea),  sejam  ambos  da  mesma  raça canina, no caso, da raça  Dogue Alemão, e  que  ambos  tenham  o  pedigree.  No  mais,  fica  a  critério  do  criador,  devidamente regulamentado, decidir  quais  filhotes  que  acha  por  bem  registrar  ou  não.

Temos  conhecimento,  também,  de  que  exatamente  por  esta   razão  alguns   criadores  norte-americanos optaram pela criação européia, sempre introduzindo tão somente cães importados da Alemanha  em  seu  plantel  para fins de reprodução.  Isto  porque  as normas de acasalameto do clube alemão  Deutscher Doggen Club  - DDC  são extremamente rígidas e também pelo rigoroso controle  que   há   quanto   aos   acasalamentos   permitidos  e  quanto  ao  registro  de  filhotes, buscando-se, com isso,  diminuir  a  incidência  de  exemplares  com  pelagens não padronizadas, decorrentes  de  acasalamentos  inter-variedades.

Infelizmente,  alguns  criadores   norte-americanos  que  adotam   recorrentemente  a   prática  da criação  inter-variedades não receberam muito bem  nosso questionamento sobre  este  assunto, muito embora,  o  que  pretendeu-se  foi  tão somente o esclarecimento  e a  transparência  sobre  esta  temática.  Alguns  destes  criadores   mencionaram  criadores   renomandos  do  Brasil  que  compram  cães  do  seu  plantel  e  os  utilizam  na   sua  criação. Por  motivos  éticos,  não  serão citados  nomes  de  nenhum  criador, sejam  estrangeiros  ou   nacionais.

Todavia,  é  importante  que  todos  os  criadores  tenham conhecimento destes fatos e busquem fazer suas  próprias pesquisas antes de introduzir  um  cão   de  outro  país ou de qualquer outro canil em sua criação,  para fins de reprodução.

Nossas   pesquisas  apontam, de  fato,  que  há  criadores  nacionais  importando,   por exemplo,  cães  de  fenótipo  preto,  cujos   pedigrees   apresentam   ancestrais  das   mais   diversas  cores  como:   dourado,  azul,   tigrado   e   que  estão,  efetivamente,  utilizando-se  destes  cães  pretos  na  sua  criação  de  Arlequins & Pretos,  entre  outras  criações  inter-variedades  que  não  são recomendadas ....  

O  Dogue Alemão  MANTADO  ou   Preto-Mantado   também   é  conhecido   por   “BOSTON”.  No  idioma  original   alemão,  é  chamado  de  MANTELTIGER  e em  inglês,  MANTLE.

O   Dogue Alemão  conhecido  em   alemão   por   “PLATTENHUND”   é   chamado   na    língua portuguesa  de   “PLAQUEADO”  ou   Preto-Plaqueado  e  no  idioma  em  ingês,   é   conhecido  por  “PIEBALD”.

O  segmento  norte-americano,  aqui  representado  pelo AKC/GDCA,  não  reconhece  o  padrão denominado  em   alemão  de   PLATTENHUND,   (PIEBALD,  em   inglês  e   PLAQUEADO,  em português), o qual está descrito no padrão oficial  do  Clube  Alemão - DDC  e  foi adotado pelas organizações  cinófilas  FCI  e  CBKC.

A seguir, apresentamos ainda  o texto original em alemão da descrição do exemplar ARLEQUIM, onde  o  termo   utilizado   para  “manchas”  é  a   palavra  “FLECKEN” - DDC:

“Schwarz -Weiß gefleckt  (Sog. Tigerdoggen):   Grundfarbe   rein   weiß,   möglichst   ohne   jede Stichelung,   mit    über   den    ganz    Körper   gut   verteilten,   ungleichförmigen,   zerrissenen, lackschwarzen   Flecken....”  (Grifo nosso)

 

 

              ARLEQUIM                                           PRETO-PLAQUEADO

 

             FLECKEN (manchas)                                 PLATTEN (placas)    

AS VARIEDADES

 

Conforme  pode-se  constatar,  outro  aspecto  interessante   a  ser  considerado  é  a  maneira de como  as  cores  padronizadas   foram  subdivididas   em   grupos   ou    variedades   pelos   dois  segmentos  analisados,  a  FCI/CBKC   e GDCA/AKC.

O  clube  alemão  Deutscher DoggenClub - DDC ,  assim  como  a  FCICBKC ,  apresenta  cinco padrões de cores  iniciais, sendo que estas  foram divididas em  três variedades  independentes:

- DOURADO   &  TIGRADO    
- ARLEQUIM  &  PRETO ---- ( incluidos  PRETO-MANTADO   e   PRETO- PLAQUEADO)      
- AZUL   -------------------------- ( incluidos os exemplares   PRETOS  com ascendência  AZUL )

 

Veja a ilustração abaixo:

 

               DOURADO  &  TIGRADO                 AZUL   &   PRETO DE AZUL

 

                                          ARLEQUIM  &  PRETO 
                      PRETO INCLUI:  MANTADO  E  PLAQUEADO 

Já  os  clubes  norte-americanos  GDCAAKC  reconhecem  seis  cores  distintas e as  dividiu em quatro variedades:

-  DOURADO   E   TIGRADO
-  ARLEQUIM,   PRETO   DE  CRIAÇÃO ARLEQUIM   &   MANTADO    
-  AZUL   E    PRETO  DE  CRIAÇÃO AZUL
-  PRETO

 

Veja a ilustração abaixo:

 

             DOURADO  &  TIGRADO                  AZUL   &   PRETO DE AZUL

 

      ARLEQUIM , PRETO & MANTADO            PRETO DE CRIAÇÃO PRETO

 

FONTE:  GDCA, ver em  Great Dane,  Breeding,  Color Code:  Breeders´Color Code 

FCI  /  CBKC   &   AKC  /  GDCA

 

 

 

Fédération Cynologique Internationale ou Federação Internacional de Cinofilia  - FCI -  é  uma organização mundial de cinofilia  na  qual  estão  incluídos  84   membros  e contratos de parceria onde cada  país  representa  um   membro   e  da  qual  o  Brasil  também  faz  parte. Ver  em:  FCI , About Us , sob o título Genetal  Information,  item Presentation, 1º parágrafo.  (Novembro,2007)

A FCI reconhece 339 raças, cada qual considerada como sendo de origem  ou  de  “propriedade” de  um  país  específico.  Os  países  aos quais  cada  raça  é  pertencente  escrevem  o  texto  que determina  o  padrão  da  raça  em  questão  (uma  descrição  do  tipo  ideal  para aquela  raça) em cooperação  com as  Comissões Científica e de Padronização da FCI, enquanto que a tradução  e atualização são  de  responsabilidade  da  FCI.  Estes  padrões são, de fato, as referências sob as quais os juízes se basearão quando julgando em exposições que ocorrem  nos  países  filiados  à FCI.  Fonte:  FCI,  ver  em  About Us,  sob  o  título  General Information,  o  item Presentation,     3º  parágrafo.

O padrão oficial da Raça Dogue Alemão da FCI  foi  escrito  pelo Deutscher Doggen Club  - DDC
em  cooperação  com  as   Comissões  Científica  e  de   Padronização  da   FCI ,  uma  vez  que  a Alemanha  é  um  dos   países   membros  e  foi   considerada  como  o  país  de  origem  da  raça  
ou  ao  qual a raça é pertencente ou ,ainda , como o país  que, do ponto de vista  histórico, mais tem  feito em  prol  do  seu  desenvolvimento.  A  tradução e a atualização  do  texto  original  do Padrão  da  Raça  é  de  responsabilidade  da  FCI.

Os  Estados Unidos da América,  a  Inglaterra  e o  Canadá  são alguns dos países que não estão filiados à FCI  e, por conseguinte, seguem  normas,  estatutos e especificações de  padronização das  raças que  são definidos e estabelecidos pelos seus próprios  clubes nacionais de cinoflilia, quais  sejam:  American Kennel Club -AKC, the Kennel Club - KCUK  e  Canadian Kennel Club - CKC.  Ver  na  página  da  FCIFrequently Asked Questions - FAQ

Os clubes  da  raça  Dogue Alemão  destes  países  são  o  Great Dane Club of America - GDCA,  Great Dane Club of Canada - GDCC   e    The Great Dane Club - GDC

Para  fins  de  verificação,  estudo  e  análise,  vamos  abordar  a  padronização  de  cores que  foi estabelecida pela  Federação Internacional de Cinofilia - FCI - (adotada pela  organização cinófila brasileira, a CBKC)  e  a   padronização   dos   clubes  norte-americanos:   American Kennel Club - AKC   e  o  Great Dane Club of  America - GDCA.

Nesta abordagem da  padronização de cores, veremos  os  grupos ou variedades  em  que  foram dividas e as normas de acasalamento que  pretendeu-se  definir.

 

AS CORES PADRONIZADAS

 

 

O texto  Padrão da Raça do Dogue Alemão da CBKC, no que diz respeito  as cores padronziadas diz:

“COR: 

o  Dogue Alemão  é criado  em  3  variedades  independentes:

dourado e tigrado, 
arlequim e preto
e azul.”

Na   Variedade   Arlequim & Preto   estão   incluídas,  ainda,   na    descrição   Preto,  as   cores  Mantado  e  Plaqueado.    Vejamos o  que  diz  o  texto  do  Padrão  da  Raça / CBKC:

“PRETO:  no preto profundo, manchas  brancas são permitidas, como também   nos  exemplares MANTADOS  se tiver o manto todo negro no corpo; focinho, pescoço,  peito, ventre,  pernas e ponta  da cauda  podem  ser brancos.  Como também Dogue com cor básica branca com grandes manchas  pretas  (PLATTENHUNDE).”  Grifos nossos. 

 

OBSERVAÇÃO

 

 

Entendemos, porém,  que  houve  alguns  equívocos  na  tradução  do   parágrafo  acima,  dando margem a  erros e dificuldade de  interpretação quanto a descrição da cor  preta e suas variáveis, apresentada  no  texto original  em  alemão.

Um  dos  problemas  que gostaríamos de  apontar  nesta  tradução acima , diz respeito ao  ponto-e-vírgula ( ; ) :  “... se  tiver  o  manto  todo negro no corpo; ...”    

O correto seria  a  conjunção  “e”  ao invés de ponto-e-vírgula, como consta no texto original em alemão.  O  ponto-e-vírgula  colocado  na  tradução em   português dá  uma  falsa   interpretação, como se estivesse sendo apresentada  uma outra  varição da  cor  preto/mantado  quando,  de  fato,  a  mesma continua  sendo descrita, ou seja,  há   uma  continuidade na  definição  do  que seria a cor  mantada, seguida  da  descrição  do  exemplar   plaqueado,  ao final. (Plattenhunde).”

Também  na  tradução  alemão - inglês  deste  texto,  encontramos  um  outro  problema  que  trás maiores dificuldades de interpretação. Trata-se da parte final do parágrafo em questão e  que vai descrever  os  exemplares assim  chamados  em  português  de  PLAQUEADOS,  (Plattenhunde)

Na  descrição do  exemplar   Plaqueado,  tanto o texto em  inglês quanto a  sua  tradução para  o português  diz, ao  final:

“... Also dogs with basic white colour and large black patches so called ‘Plattenhunde’  ”.

“... Como também cães com cor básica branca com grandes manchas  pretas  (‘Plattenhunde’).”

A  palavra  “patches”  ou   “manchas” em  ambas   as   traduções  não  foi   apropriada  ou   bem explicitada, o  que  também   levou  ao   erro  quando  da   tradução  para  a   língua   portuguesa.  “Patches”,  neste contexto,  são manchas,  malhas (de  animal)   e   esta  tradução  não estaria de  todo   incorreta  se  a  referência que se  tem  deste  tipo de “mancha” é como sendo irregular, ou seja, de manchas irregulares.  A  mesma  palavra  “patches”  ou  “manchas”  foi  empregada   na descrição do exemplar  arlequim, o que está correto, uma vez que nestes exemplares as  manchas devem  apresentar-se  de  forma   irregular.

O  termo  utilizado  no idioma original  deste texto para descrever as assim chamadas “manchas”, presentes  nos exemplares  PLAQUEADOS ,  foi  o  termo “Platten”, como vemos abaixo:

“... so wie Doggen mit weißer Grundfarbe und großen schwarzen Platten (Plattenhunde).” 

O termo “Platten” é um substantivo que, dentro deste contexto, também  trás  o  significado  de “manchas” porém, este termo, no idioma alemão, é mais específico. “Manchas”, aqui, não têm a conotação de serem  irregulares, tratam-se de manchas por  assim  dizer em formato regular,  ou seja, com  uma  forma arredondada ou ovalada,  o que também vai diferenciá-las  em  relação  às manchas  presentes   nos   exemplares   arlequins,   para   os   quais   a   palavra   utilizada   para “manchas” , no  idioma  original   alemão,  é  o   termo  “Flecken”. 

Texto original em alemão / DDC:

“Schwarz:   Lackschwarz,   weiße   Abzeichen   sind    zugelassen;  hierzu   zählen   auch   die Manteltiger,  bei  denen das Schwarz mantelartig  den Körper bedeckt und  Fang, Hals, Brust, Bauch, Läufe und Rutenspitze  weiß sein  können, so wie Doggen mit weißer Grundfarbe und großen schwarzen Platten (Plattenhunde).”   ( grifo nosso na palavra “Platten”)

Tradução do Texto em  inglês / FCI:

“Black : Jet black, white markings  permitted.  Included  here are  « Manteltiger »  in  which  the black  covers  the  body  like  a  coat  (“mantel”)  or blanket and  muzzle, throat, chest, belly, legs and tip of tail may be white. Also dogs with basic white colour and large black patches so called ‘Plattenhunde’  ”.

Traducão do Texto em português / CBKC:

“Preto:  no  preto  profundo,  manchas  brancas  são  permitidas, como  também  nos exemplares mantados  se  tiver  o  manto  todo  negro  no corpo;  focinho,  pescoço, peito, ventre,  pernas  e ponta  da  cauda   podem  ser   brancos.  Como   também  Dogue  com   cor   básica   branca  com grandes  manchas  pretas  (Plattenhunde).”

Apresentamos no parágrafo abaixo, uma  nova  versão da  tradução do texto original em alemão, onde  foram  feitas  algumas  modificações e ajustes,  no intuito  de  trazer  uma  compreensão  e interpretação  mais próximas ao  texto  original:

 

PRETO:   preto   intenso-brilhante,  manchas    brancas   são   permitidas;  incluídos  aqui  estão também os exemplares  MANTADOS  (Manteltiger)  nos  quais  um  tipo de  manto negro cobre  o corpo e,  o  focinho, pescoço,  peito, ventre,  pernas  e   ponta  da  cauda  podem  ser  brancos, bem   como   os   dogues   com   cor   básica   de   fundo  branca   com   grandes   placas   pretas(Plattenhunde). São  os exemplares  PLAQUEADOS.

 

                DOGUE   PRETO   &   SUAS   VARIAÇÕES

             PRETO-MANTADO             PRETO-PLAQUEADO 

As  cores  padronizadas  que   fazem   parte   da   variedade   Arlequim & Preto   são,   portanto: ARLEQUIM, PRETO, MANTADO  e  PLAQUEADO.  Porém,  não  podemos  nos  esquecer  que estas  são  apenas  aquelas  cores  cujas  descrições  foram  pré-definidas  e estabelecidas  como sendo  o  padrão  desejado. De fato, os acasalamentos permitidos entre as cores desta variedade Arlequim &Preto,  vão  dar  origem  a  infinitas  amostragens  de cores contendo preto, branco  e diversos  tons  de  cinza,  sendo  que  todos  os  exemplares  que   não  se  encaixam  dentro  das descrições  estabelecidas  ficam  à  margem  desta  padronização.

Na  página  Cores & Mais Cores,  trataremos   das  variações   de   amostragens   de   cores  não padronizadas  que  se  originam  desta variedade,  mas que permanecem  marginalizadas.

 

 

Conforme vimos acima, a FCI / CBKC,  seguindo o  padrão do Clube Alemão  DDC,  apresenta  o Dogue Mantado e  o  Dogue Plaqueado  como  variações  do   Dogue  Alemão  PRETO  e  tráz  a descrição destas variações  no mesmo texto em  que descreve o próprio Dogue Alemão  PRETO.

Já  os   clubes   norte-americanos   GDCAAKC   reconhecem   seis   cores   distintas   (dourado, tigrado, arlequim, preto,  mantado e azul ) e apresenta  uma  descrição específica  para  cada  uma das cores, ou seja,  há  uma  descrição  própria  para  o  Dogue Mantado.

Conforme  já  mencionado anteriormente,  tanto  o  clube  alemão   DDC   quanto   a   FCI / CBKC reconhecem  e  descrevem  o  exemplar  PLAQUEADO  no  padrão  oficial  da  raça,  enquanto os clubes norte americanos  GDCA/AKC  não descrevem ou  reconhecem este padrão.

 

 

Há  uma  norma  da CBKC para registro da Raça Dogue Alemão que apresenta os acasalamentos aconselhados.  Nesta  norma, a  CBKC  reconhece  que  há  dois  tipos  de  Dogue Alemão Preto:

Temos o  Dogue Alemão Preto  da  Variedade Arlequim & Preto,  como  mostrado na ilustração acima, como também  o  Dogue Alemão Preto da Variedade  do Dogue Azul, ou seja, este tipo de dogue PRETO  tem,  em  sua  ascendência,  o  dogue alemão  azul.

Esta mesma norma recomenda que o  Dogue Alemão Preto que tem ascendentes azuis  não deva ser   introduzido  na  criação  da  Variedade  Arlequim & Preto.

Enquanto a CBKC reconhece  que  há  DOIS  tipos  de  Dogue Alemão PRETO, conforme  citado acima,  o Clube Americano GDCA  reconhece TRÊS  tipos  de  Dogue Alemão PRETO:

-Preto de Arlequins (da Variedade Arlequim & Preto)

-Preto de Azul ( Preto da Variedade Azul, com ascendentes azuis)

-Preto de Criação de Pretos, somente. (sem  ascendentes  das  Variedades  Arlequim & Preto  ou Azul)

 

Segundo o Breeders´Color Code do GDCA, o Dogue Alemão PRETO da criação de Pretos pode ser  acasalado com  um  dogue alemão  das  seguintes  variedades:

-Variedade Arlequim & Preto   -  a  prole  passa  a  pertencer  a  esta  variedade;

-Variedade Azul   -   a  prole  passa  a  pertencer  a  esta  variedade;

-Variedade Preto (de criação de Pretos, somente) - a  prole permanece nesta variedade,  da  qual  tanto  a  matriz  quanto  o  padreador   fazem  parte.

 

Esta  mesma  orientação do  Breeders ´Color Code  do  GDCA   não  aconselha,   nem   tampouco admite   o  cruzamento  de  Pretos  de  qualquer  uma desta variedades acima com a Variedade de Dourados e Tigrados.

Segundo o Breeders´Color Code ,  Dogues  Alemães  da  Variedade   Dourados & Tigrados  não devem  conter   PRETO,  ARLEQUIM  ou  AZUL  nos  ascendentes.

Veja  mais  detalhadamente  sobre  as  orientações  de  acasalamento  do  GDCA  e as variedades às  quais as proles  passam  a ser  pertencentes na  página:  Breeders´Color Code  do site  oficial  do GDCA ou leia  a  nossa  tradução destas orientações na página: Regra Acasalamento GDCA, em  nosso  site.

 

Muitos   criadores   norte-americanos    conceituados   da    V a r i e d a d e   Dourado &  Tigrado e x p l i c i t a m e n t e   desaconselham  a  prática  de  cruzamentos   inter-variedades  e   rejeitam,
declaradamente,  o  cruzamento de  qualquer Dogue Alemão PRETO (independentemente a qual Variedade é pertencente) com  Dogues  Alemães   Dourados  ou  Tigrados.

Comportamento do Dogue Alemão

         O Dogue Alemão, apesar do seu tamanho avantajado, é muito equilibrado, não demonstrando agressividade. São animais que possuem o metabolismo lento, assim não são de muita energia, preferindo ambientes espaçosos e tranquilos.
São amáveis com crianças e convivem muito bem com cães de outras raças e até outros animais de estimação, como gatos, galinhas cavalos, por exemplo.
É perfeito para o convívio familiar, tornando um membro comportado, companheiro e fiel, trazendo momentos de muita alegria e prazer. E não podemos deixar de ressaltar o exímio cão de guarda que é.

Eu       Dogue Alemão

VARIAÇÕES NÃO OFICIAIS

PADRÃO DA RAÇA

CRUZAS PERMITIDAS

ADOTE UM DOGUE ALBINO